segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Discurso de Bento XVI aos bispos dos EUA


Audiência com a presidência da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, Sala do Consistório, Palácio Apostólico Vaticano, 19 de janeiro de 2012



"Queridos irmãos bispos,
Saúdo todos vós com afeto fraterno e rezo para que esta peregrinação de renovação espiritual e comunhão profunda confirme-vos na fé e compromisso com a sua tarefa como pastores da Igreja nos Estados Unidos da América.


Como vocês sabem, é minha intenção, no decorrer deste ano, refletir convosco sobre alguns dos desafios espirituais e culturais da nova evangelização. Um dos aspectos mais memoráveis da minha Visita Pastoral para os Estados Unidos foi a oportunidade que me proporcionou de refletir sobre a experiência histórica da América de liberdade religiosa e, especificamente, a relação entre religião e cultura.

No centro de cada cultura, seja percebida ou não, está um consenso sobre a natureza da realidade e do bem moral, e, portanto, sobre as condições para o florescimento humano.

Nos Estados Unidos, este consenso, consagrado nos documentos de fundação de sua nação, foi fundamentado em uma visão de mundo moldada não só pela fé, mas num compromisso com certos princípios éticos decorrentes da natureza e da natureza de Deus.

Hoje, este consenso erodiu significativamente em face de novas e poderosas correntes culturais que não são apenas diretamente opostas aos ensinamentos morais da tradição judaico-cristã, mas cada vez mais hostil ao cristianismo como tal.

Por sua parte, a Igreja nos Estados Unidos é chamada, em tempo e fora de temporada, a proclamar um Evangelho que não só propõe verdades morais imutáveis, mas as propõe com precisão como a chave para a felicidade humana e social prosperidade (cf. Gaudium et Spes , 10).

Na medida em que algumas tendências culturais atuais contêm elementos que poderiam diminuir a proclamação destas verdades, se contraindo-as dentro dos limites de uma racionalidade meramente científica, ou suprimi-las em nome do poder político ou governo da maioria, elas representam uma ameaça não apenas a fé cristã, mas também para a própria humanidade e à verdade mais profunda sobre o nosso ser e vocação suprema, nossa relação com Deus.

Quando uma cultura tenta suprimir a dimensão do último mistério, e fecha as portas para a verdade transcendente, ela inevitavelmente torna-se empobrecida e sucumbida, como o falecido Papa João Paulo II viu tão claramente, para leituras reducionistas e totalitária da pessoa humana e a natureza da sociedade.

Com sua longa tradição de respeito pela justa relação entre fé e razão, a Igreja tem um papel fundamental a desempenhar na luta contra as correntes culturais que, com base em um individualismo extremo, procuram promover noções de liberdade separadas da verdade moral.

Nossa tradição não fala de fé cega, mas de uma perspectiva racional que liga o nosso compromisso de construir uma sociedade autenticamente justa, humana e próspera para a nossa garantia definitiva de que o cosmos é dotado de uma lógica interna acessível ao raciocínio humano.

A defesa da Igreja de um raciocínio moral baseada na lei natural é fundamentada em sua convicção de que esta lei não é uma ameaça à nossa liberdade, mas sim uma "linguagem" que nos permite compreender a nós mesmos e a verdade do nosso ser, e assim moldar um mundo mais justo e humano. Ela propõe, assim, o seu ensinamento moral como umamensagem não de restrição, mas de libertação, e como base para a construção de um futuro seguro.

O testemunho da Igreja, então, é de sua natureza pública: ela procura convencer, propondo argumentos racionais na esfera pública. A separação legítima da Igreja e do Estado não podem ser tomadas para significar que a Igreja deve estar em silêncio sobre certas questões, nem que o Estado pode optar por não se envolver ou não escutar as vozes dos fiéis comprometidos em determinar os valores que irão moldar o futuro da nação.

À luz destas considerações, é imperativo que toda a comunidade católica nos Estados Unidos venha a compreender as graves ameaças ao testemunho moral público da Igreja apresentado por uma laicidade radical que encontra expressão crescente nas esferas política e cultural.

A gravidade dessas ameaças deve ser claramente apreciada em todos os níveis da vida eclesial. Particularmente preocupantes são certas tentativas feitas para limitar uma das liberdades mais queridas dos americanos, a liberdade de religião.

Muitos de vocês têm apontado que esforços concentrados foram feitos para negar o direito de objeção de consciência por parte de indivíduos e instituições católicas em matéria de cooperação nas práticas intrinsecamente más. Outros falaram-me de uma preocupante tendência para reduzir a liberdade religiosa à simples liberdade de culto sem garantias de respeito pela liberdade de consciência.

Aqui, mais uma vez, vemos a necessidade de leigos casados, articulados e bem formados com um forte senso crítico de uma cultura dominante e com coragem para contrariar um secularismo redutor que deslegitima a participação da Igreja no debate público sobre as questões que estão determinando o futuro da sociedade americana.

A preparação de líderes leigos comprometidos e a apresentação de uma articulação convincente da visão cristã do homem e da sociedade permanecem uma das tarefas primárias da Igreja em seu país, como componentes essenciais da nova evangelização, estas preocupações devem moldar a visão e os objetivos dos programas catequéticos e em todos os níveis.

A este respeito, gostaria de mencionar, com apreço seus esforços para manter contatos com os católicos comprometidos na vida política e para ajudá-los a entender sua pessoal responsabilidade a fim de oferecer o testemunho público de sua fé, especialmente com relação a grandes questões morais do nosso tempo: o respeito ao dom divino da vida, a protecção da dignidade humana e a promoção dos autênticos direitos humanos.

Como o Conselho tomou conhecimento, e desejei reinteirar durante minha Visita Pastoral, o respeito à justa autonomia da esfera secular também deve levar em consideração a verdade de que "não há nenhuma esfera dos assuntos mundanos que pode ser separado do Criador e seu domínio "(Gaudium et Spes, 36).

Não se pode duvidar que quanto mais consistente foi o testemunho por parte dos católicos e mais profundas forem suas convicções, maior poderá ser a contribuição para a renovação da sociedade como um todo.

Queridos Irmãos Bispos, em breves considerações, eu quis tocar sobre algumas das questões prementes que vocês enfrentam em seu serviço ao Evangelho e sua importância para a evangelização da cultura americana.

Ninguém que olha estas questões de forma realista pode ignorar as dificuldades genuínas que a Igreja encontra no momento presente. No entanto, na fé podemos ter ao coração uma crescente conscientização da necessidade de preservar uma ordem civil claramente enraizada na tradição judaico-cristã, bem como da promessa oferecida por uma nova geração de católicos cuja experiência e convicções terão um papel decisivo ao renovar a presença da Igreja e do testemunho na sociedade americana.

A esperança que esses "sinais dos tempos" nos dá é que esta é uma razão para renovar nossos esforços em mobilizar os recursos intelectuais e morais de toda a comunidade católica a serviço da evangelização da cultura americana e da construção da civilização do amor.

Com grande afeto, recomendo todos vocês, e do rebanho confiado aos vossos cuidados, à intervenção de Maria, Mãe da Esperança, e cordialmente concedo a minha Bênção Apostólica como penhor de graça e paz em Jesus Cristo nosso Senhor."

Fonte: Canção Nova 

Nota DDP: Indo direito ao ponto de interesse deste espaço, emerge do texto de forma muito clara a preocupação com a manutenção da lei natural (leia-se mandamentos pela cosmovisão romana) nos EUA, o que deve ser alcançado inclusive pela atuação dos agentes políticos comprometidos com a igreja. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...