quinta-feira, 29 de março de 2012

Três falsos evangelhos: prosperidade, terapêutico e missão integral (libertação)


José Bernardo
Como Satanás está arrastando milhares de adolescentes e jovens para fora da Igreja e para longe da fé? Porque a Igreja não está sendo capaz de perceber e conter essa evasão? Onde toda essa maldade e destruição estão se apoiando? Um olhar cuidadoso para o cenário faz perceber que a estratégia usada pelo inimigo tem sido um ‘cavalo de troia’, belo por fora e cheio de destruição por dentro: a religião do ‘bem estar’.
Apoiado em uma interpretação flexível da própria Bíblia, o inimigo vem minando a fé bíblica da igreja evangélica e substituindo por essa nova religião, ainda difícil de distinguir para muitos, mas definitivamente oposta ao que Jesus ensinou. Há três correntes principais desse neo-paganismo, três falsos evangelhos que a grande maioria dos crentes está seguindo para longe de Cristo. Tais evangelhos não têm poder para salvar, não oferecem os elementos para a perseverança na fé. Adolescentes e jovens aprendem tais heresias de seus pais e essa é uma razão central de seu desvio.
Primeiro, enumeremos esses três ataques malígnos:
O evangelho do bem estar material – ou a teologia da prosperidade, movimento religioso surgido nas primeiras décadas do século XX nos Estados Unidos da América. Sua doutrina afirma, a partir da interpretação de alguns textos bíblicos como Gênesis 17.7, Marcos 11.23-24 e Lucas 11.9-10, que quem é verdadeiramente fiél a Deus deve desfrutar de uma excelente situação na área financeira, na saúde, etc. Não mais capaz de seduzir a população norte-americana que emergiu das crises econômicas no pós-guerra, esse falso evangelho foi despejado na América Latina por tele-evangelistas, rapidamente absorvido aqui pelo nascente movimento neo-pentecostal e é hoje refugo lançado covardemente contra a África por uma equivocada ação missionária.
O evangelho do bem estar psicológico – movimento que visa a descoberta e o tratamento de problemas emocionais, como medo, complexos, baixa auto-estima, no intuito de que as pessoas sejam tratadas no espírito, na alma e no corpo, com ênfase na cura da alma. O movimento, também originado nos Estados Unidos, resultou do esforço de manter a Igreja atraente para uma sociedade cada vez mais materialista e egocêntrica e têm raízes, tanto no evangelicalismo histórico, como no movimento carismático. Entre os evangélicos históricos surgiu no condicionamento do aconselhamento cristão pela psicologia e psicanálise, entre os pentecostais, dos esforços de cura interior. Ambas as correntes proliferaram a partir dos anos 80 com a enxurrada de livros evangélicos de auto-ajuda e hoje são um mal perfeitamente institucionalizado.
O evangelho do bem estar social – é um movimento essencialmente político que utiliza elementos do Cristianismo como alegoria para facilitar a disseminação de idéias de diferentes pensadores socialistas. Seus defensores a apresentam como, por exemplo, “uma interpretação da fé cristã através do sofrimento dos pobres, sua luta e esperança, e uma crítica da sociedade e do cristianismo através dos olhos dos pobres”. O movimento surgiu no seio do catolicismo da América Latina, na esteira da influência marxista, foi fortemente combatido e diminuido pela Igreja Católica, proliferou entre ditos evangélicos em alguns países da América Hispânica e influenciou o evangelicalismo brasileiro com mais força a partir dos anos 80.

As causas dessa monstruosidade espiritual

Embora pareçam propostas diferentes, as três correntes religiosas são extremos próximos, identificados por três ensinos heréticos centrais: a) Antropocêntrismo – O cristianismo defende a centralidade de Deus e apresenta o ser humano como inútil e sem valor,mas as três teologias malígnas retomam o ser humano como centro de tudo e fazem Deus gravitar ao redor de suas necessidades, desejos e ações; b) Temporalidade – O cristianismo aponta para a vida na terra como uma passagem de provação para um mundo novo e eterno, mas as três teologias corrosivas se concentram no que pode ser obtido imediatamente, fixando a quem pode seduzir no que é presente, temporal e passageiro; c) Materialismo – O cristianismo aponta para as coisas espirituais, invisíveis, mas as três correntes teológicas cativam seu público ao que é material e carnalmente desfrutável, são evangelhos da sensualidade.
Os falsos evangelhos da prosperidade, terapêutico e libertação (também conhecido entre os protestantes como missão integral) se contrapõe ao verdadeiro Evangelho do Reino, que anuncia o governo soberano de Deus em Cristo sobre a vontade humana e leva ‘cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo’ 2Co 10:5. Tais evangelhos são produzidos pelos inimigos da cruz, seu deus é o ventre (Fp 3:19).
A endo-apologia combaterá com dificuldade esses ataques malígnos. Os falsos evangelhos se mimetizam com capricho, usando o vocabulário dos evangélicos, suas expressões e a própria Bíblia para surpreender e destruir a fé bíblica. Esses falsos evangelhos promovem uma interpretação flexível das Escrituras, baseada principalmente na dedução e em um criticismo pretensamente acadêmico e energicamente desconstrutor. No discurso, usam e abusam do palavrório apaixonado, como se estivessem militando por uma grande causa e, quando não funciona, abundam na irreverência, no sarcasmo, na ironia e na zombaria. Todas os três praticam também uma contra-apologia preventiva, acusando de reacionários, desumanos, anti-cristãos e fundamentalistas aqueles que se atrevem a ir contra suas ambições egocêntricas, temporais e materialistas. Dessa forma surpreendem, sequestram e escravizam uma igreja que deixou as Escrituras de lado para abraçar o sensacionalismo.
Mas o aspecto mais venenoso de tais falsos evangelhos, é que são virais, não estão baseados nas teologias alucinadas que os geraram, mas nas características de seus hospedeiros. Quando o apóstolo Paulo nos preveniu disso, disse: “Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas…” 2Tm 3:1ss. Não é a teologia maligna, principalmente, que faz essa maldade prosperar, mas a natureza egoísta que impede os seres humanos de clamarem pelo verdadeiro Evangelho do Reino: Seja feita a Tua vontade, ó Deus. Egoístas, egocêntricos, esses são os hospedeiros de evangelhos oportunistas, que contagiam os mais jovens e causam seu desvio.
Divulgação: www.juliosevero.com
Nota: Se não fosse mal suficiente o fato de estes "evangelhos" afastarem almas de Cristo, ainda por cima sujam e desonram o nome de Deus perante o mundo. 
"Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu santo nome em vão." Todo pregador que usa de tais falsos evangelhos pisa aos pés o mandamento do Senhor, que é claro: o Senhor não terá por inocente aquele que desonra o Seu santo nome.
Sobre estes falsos pastores, lobos vestidos em pele de cordeiros, já havia profetizado Pedro: "Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e por causa deles, será infamado o caminho da verdade; também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme." 2 Pedro 2:1-3.
(Marcelo Karma)

A precisão da profecia das 70 semanas



O Meio da Septuagésima Semana (Cálculo do Mês)


Daniel 9:27 fixa a morte expiatória do Messias no meio da septuagésima semana: “Ele fará firme aliança com muitos por uma semana; na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares...”. O Santuário Terrestre e seus serviços perderam sua validade por ocasião da morte de Cristo, quando o verdadeiro sacrifício pelos pecados da humanidade foi efetuado. Daí o dizer-se que a morte do Messias deveria ocorrer no meio da última semana.


Do início das 70 semanas até a morte do Ungido transcorreriam 69,5 semanas, pois o verso 25 de Daniel 9 indica que o Messias Se manifestaria ao final de “sete semanas e sessenta e duas semanas”, isto é, ao final de 69 semanas; por sua vez, o verso 27 fixa o fim do ministério do Redentor na metade da última semana, o que conduz à conclusão de que a morte de Jesus ocorreria após 69,5 semanas. Isso equivale a 486,5 dias-anos (69,5 x 7 = 486,5).

Ficou claramente demonstrado que as 2.300 tardes e manhãs começam no sétimo mês do calendário judaico. Isso quer dizer que as 70 semanas também se iniciam nesse mês, pois ambos os períodos começam simultaneamente.



Para se localizar o mês indicado para a morte do Ungido, basta acompanhar, então, o seguinte raciocínio: avançando 486 anos a partir do sétimo mês, chega-se também ao sétimo mês; e com os 6 meses restantes, correspondentes à metade de um ano, pode-se chegar ao décimo-terceiro mês ou ao primeiro mês. O Novo Testamento registra que a morte de Jesus ocorreu na época da Páscoa judaica, a qual, consoante a Lei Mosaica, era sempre celebrada no primeiro mês (Marcos 14:12 e Levítico 23:5 e 6). Isso assegura que o meio da septuagésima semana cairia nesse mês do ano judaico.

Conclusão: o meio da septuagésima semana corresponde ao primeiro mês do calendário judaico.

O Meio da Septuagésima Semana (Cálculo do Dia do Mês)

Não somente o ano e o mês, mas mesmo o dia exato da morte do Salvador já estava indicado em Daniel 9: 69,5 semanas proféticas equivalem a 486,5 dias-anos; estes, por sua vez, consistem em 177.690,3254 dias (486,5 x 365,242190 = 177.690,3254), nos quais há 6.017,161574 lunações (177.690,3254 / 29,539589 = 6.017,161574). Isso representa o total de meses lunares presentes em 486,5 anos.

Desconsiderando-se, num primeiro momento, a fração (0,161574) e avançando apenas com o valor inteiro de 6.017 lunações, chega-se ao décimo dia do primeiro mês, como está representado no gráfico. Caminhando 4,771375 dias, correspondentes a 0,161574 lunação (0,161574 x 29,530589 = 4,771375), a partir do décimo dia do primeiro mês, chega-se ao décimo-quarto dia desse mesmo mês, que seria, então, o dia da crucifixão de Cristo. Mas, o Novo Testamento aponta para o décimo-quinto dia do primeiro mês como o dia da morte do Salvador, o que exige uma pequena correção no esquema traçado até aqui.

Em vez de começar os cômputos proféticos ao pôr-do-sol do Dia da Expiação (como tem sido feito até agora), seria mais sugestivo e exato iniciá-los às 15:00 horas desse mesmo dia, pois era aproximadamente nesse momento que o sumo sacerdote saía do Santuário, depois de tê-lo purificado, e abençoava o povo. Esse era o ponto alto da Festa da Expiação. Com essa pequena alteração no início do período, as 69,5 semanas atingem, não a parte clara do dia 14, e sim, a noite do dia 15, na qual Jesus, após ter celebrado a última Páscoa com os discípulos, instituiu a cerimônia que deveria comemorar Sua morte pelos séculos por vir (1 Coríntios 11:23-26). Naquela mesma noite, Jesus passou pela terrível experiência do Getsêmani e foi preso para ser crucificado.

Observação: neste estudo, os dias estão sendo computados de pôr-do-sol a pôr-do-sol, conforme o esquema bíblico; dessa forma, a referida noite do décimo quinto dia do primeiro mês não é a noite que se segue a esse dia e, sim, aquela com a qual ele se inicia.

Conclusão: as 69,5 semanas começam às 15:00 horas do Dia da Expiação e se estendem até a noite do décimo-quinto dia do primeiro mês.

Henderson H. L. Velten


segunda-feira, 26 de março de 2012

Em 40 anos duplicaram os desastres naturais

A frequência de desastres naturais anuais quadruplicou no mundo entre a década de 1970 e 2010, indica uma nota do Instituto de Meteorologia para assinalar, esta sexta-feira, o Dia Mundial da Meteorologia.
 
foto EPA/ARQUIVO
Em 40 anos duplicaram os desastres naturais
Em 26 de Dezembro de 2004, um sismo seguido de tsunami causou a morte a cerca de 200 mil pessoas, na Ásia
 
As menos de 100 ocorrências por ano dispararam para mais de 450 em quatro décadas, enquanto os prejuízos subiram de 7,6 bilhões de euros para mais de 60 bilhões em cada ano, em todo o mundo, ainda de acordo com os dados do IM.
Em 2005, quando o furacão "Katrina" atingiu a costa Oriental dos Estados Unidos, os prejuízos ultrapassam os 160 bilhões de euros.
Os especialistas admitem que o aumento possa ser "exacerbado pelas alterações climáticas, hoje reconhecidas como inequívocas" pelo Painel Intergovernamental de Alterações Climáticas (IPCC na sigla em inglês).
A subida da temperatura média do ar e dos oceanos são consequências dessa realidade, que implica a diminuição do gelo nos pólos e a subida do nível médio da água do mar.
"Portugal não escapa igualmente a fenómenos meteorológicos e climáticos extremos", considera o IM, enunciando depois as inundações, os fogos florestais, as secas e as ondas de calor como as situações mais frequentes no país.
Em consequência, cita o ano de 2003, onde uma onda de calor terá sido a responsável pela morte de mais de duas mil pessoas e os fogos florestais nesse mesmo ano como os desastres que mais impacto tiveram.
Já quanto a prejuízos, as cheias na madeira em 2010 ocupam o topo da tabela, com custos de 1 bilhão de euros.
As secas são também destacadas na última década, designadamente a que ocorreu entre novembro de 2004 e fevereiro de 2006 e a atinge a totalidade Portugal Continental atualmente, de forma extrema ou severa.


Nota: Os sinais na natureza são claríssimos quanto ao tempo em que vivemos. O retorno de Cristo à esse mundo é iminente.

Terremoto de magnitude 7.2 atinge Chile


Um terremoto de magnitude 7.2 atingiu o centro do Chile neste domingo (25), chacoalhando prédios da capital Santiago. A agência de emergência governamental, Onemi, afirmou que não há risco de tsunami, mas decretou a evacuação de algumas áreas da costa do país como medida preventiva. O epicentro do sismo é próximo à área atingida em 2010 pelo terremoto de magnitude 8.8, que gerou tsunamis que mataram 500 pessoas.

"O evento não produziu e não vai produzir um tsunami na costa do Chile", afirmou o ministro do Interior Rodrigo Hinzpeter. No entanto, um representante do governo disse anteriormente que havia sinais de que o mar tinha retraído um pouco e o escritório de emergência voltou a ordenar uma evacuação da costa na área de Mauler, como medida preventiva.

"Até agora, não foram reportadas fatalidades. Existe evidência de que algumas pessoas ficaram feridas, mas não gravemente", completou Hinzpeter. A Onemi informou que duas pessoas ficaram feridas após o teto de uma igreja de Santiago ter cedido com os tremores. Outra pessoa ficou ferida em um acidente de carro.

O terremoto ocorreu a 103 km ao oeste da cidade de Talca, segundo o instituto geológico americano (USGS).

Fonte - G1


quinta-feira, 22 de março de 2012

Aquecimento global está mudando a gravidade da Terra

A Nasa declarou que registros atualizados das temperaturas globais confirmaram que o planeta se aqueceu quase um grau Celsius desde 1900. O relatório, chamado Met Office, também apresentou evidências de que o constante derretimento das geleiras estaria modificando a gravidade da Terra. 

Para chegar a essas conclusões, a Nasa valeu-se de bancos de dados abrangentes sobre o planeta, observações de temperatura marinha e informações de estações meteorológicas da África, Rússia e do Canadá. O satélite GRACE também foi recentemente lançado para a medição do impacto do derretimento de gelo sob a gravidade. 

Utilizando tecnologia 3D e imagens captadas pelo GRACE, a Nasa divulgou imagens que comprovam visualmente as alterações gravitacionais.

Na imagem de 1995, a gravidade aparece desta forma // Crédito: Nasa 


Com a perda de massa das geleiras, o nível dos oceanos se altera e a configuração da Terra muda // Crédito: NASA

O GRACE, que na verdade são dois satélites gêmeos, foram capazes de medir do espaço o derretimento das geleiras na Groenlândia com alta precisão. Como eles monitoram a própria trajetória de vôo e tempo em órbita são capazes de capturar pequenas mudanças na gravidade. 

Com o derretimento das geleiras, o nível dos oceanos sobe, gerando alteração da gravidade. Estima-se que 240 toneladas de gelo derreteram na Groenlândia entre os anos de 2002 e 2011, o que fez o nível dos oceanos subir 0,7 mm por ano. Com isso, o campo gravitacional sofre mudanças, que, mesmo ligeiras, poderão ter consequências a longo prazo.

O  planeta também está ficando mais quente. Os dados apontaram também que as temperaturas se elevaram 0,75 ºC ao longo de cem anos. Pode parecer pouco, porém a maior parte desse aumento aconteceu nos últimos dez anos. De 2005 a 2010 foram os anos mais quentes já registrados, mas, segundo a Nasa, tudo indica que esse ano baterá o recorde de elevação de temperatura.

Fonte: Galileu 





terça-feira, 20 de março de 2012

O presidente mais hostil à Bíblia que os EUA já tiveram

Lista mostra que revolta contra política de contracepção é apenas a ponta do iceberg de Obama

Drew Zahn
Como se o mandato do governo de Obama de que os empregadores católicos — contra a doutrina da Igreja Católica — devam pagar as despesas de controle de natalidade de seus funcionários não fosse motivo para revolta suficiente para os cristãos dos EUA…
Agora David Barton, historiador de questões de fé e liberdade e do WallBuilders, elaborou uma lista de 50 ações anticristãs e antijudaicas documentadas que Obama tomou desde que assumiu a presidência, levando Barton a concluir que Barack Obama é na verdade “O presidente americano mais hostil à Bíblia que os EUA já tiveram”
“Quando observamos a falta de vontade do presidente Obama para se adaptar a quatro séculos de proteção de consciência religiosa através de suas tentativas de exigir que os católicos vão contra suas próprias doutrinas e crenças, somos tentados a dizer que ele é anticatólico”, Barton escreve. “Mas essa caracterização não seria correta. Embora tenha mirado recentemente os católicos, ele tem mirado de igual modo as tradicionais crenças protestantes”.
Barton sugere que sua lista — que inclui links para notícias da NBC, WND, do Los Angeles Times, do Christianity Today e dezenas de outras fontes — demonstra um padrão de “tratamento desrespeitoso e horroroso” para com qualquer pessoa que mantenha valores bíblicos.
“Talvez a descrição mais precisa dessa antipatia para com católicos, protestantes, judeus religiosos e a nação judaica seria caracterizá-la como ‘antibíblica’”, Barton escreve. “E então quando essa hostilidade para com pessoas que têm fé bíblica é contrastada com o seu tratamento preferencial para com os muçulmanos e nações muçulmanas, isso reforça ainda mais a precisão da descrição dele como um homem contrário à Bíblia. Na verdade, tem havido inúmeras vezes, que foram documentadas, em que suas posições pró-islamismo foram a causa de suas ações contra a Bíblia”.
Entre as 50 ações tomadas incluem-se as seguintes:
* Maio de 2009 — Obama não permitiu que o culto do Dia Nacional de Oração (um dia estabelecido por lei federal) ocorresse na Casa Branca.
* 19 de Outubro de 2010 — Obama deliberadamente começa a omitir a frase sobre “o Criador” quando cita a Declaração de Independência — uma omissão que ele cometeu em pelo menos sete ocasiões.
* Abril de 2011 — Pela primeira vez na história americana, Obama pede aprovação de uma lei antidiscriminação que não contém proteções de contratação para grupos religiosos, forçando as organizações religiosas a contratarem de acordo com mandatos federais sem levarem em conta os mandamentos de sua própria religião, eliminando assim a proteção de consciência na contratação.
* Janeiro de 2011 — Depois que uma lei federal foi aprovada permitindo a transferência do Memorial da Segunda Guerra Mundial no Deserto de Mojave para uma propriedade privada, a Suprema Corte dos EUA decidiu que a cruz no memorial poderia continuar em pé, mas o governo de Obama se recusou a permitir a transferência da terra como mandava a lei e se recusou a permitir que a cruz fosse reerguida conforme havia sido ordenado pela Suprema Corte.
* Junho de 2011 — O Departamento de Assuntos Veteranos proíbe referências a Deus e Jesus durante as cerimônias de enterro no Cemitério Nacional de Houston.
* Setembro de 2011 — As Forças Armadas divulgam normas para o Centro Médico Walter Reed estipulando que “Não são permitidos a entrega ou uso de nenhum item religioso (por exemplo, Bíblias, materiais de leitura e / ou fatos) durante uma visita”.
* Fevereiro de 2012 — As Forças Aéreas removem “Deus” do emblema do Gabinete de Capacitação Rápida (a palavra sobre o emblema em latim era: Dei).
* Fevereiro de 2011 — Obama orienta o Ministério de Justiça a parar de defender a Lei de Defesa do Casamento, que é uma lei federal.
* Maio de 2009 — Embora Obama não permita nenhum evento do Dia Nacional de Oração na Casa Branca, ele permite jantares Iftar na Casa Branca em honra ao Ramadã.
* 2010 — Embora cada governo americano tradicionalmente divulgue centenas de proclamações oficiais e declarações em numerosas ocasiões, o governo americano sob Obama evita feriados e eventos bíblicos tradicionais, mas regularmente reconhece os principais feriados muçulmanos, conforme ficou comprovado por suas declarações de 2010 no Ramadã, Eid-ul-Fitr, Hajj, e Eid-ul-Adha.
“Muitas dessas ações são literalmente sem precedentes — essa é a primeira vez que elas aconteceram em quatro séculos de história americana”, Barton conclui seguindo a lista completa. “A hostilidade do presidente Obama para com a fé e valores bíblicos é sem igual em todos os presidentes americanos anteriores”.
Traduzido por Eliseu P. L. J. do artigo de WND: Most ‘biblically hostile’ president ever is ...
Fonte: Julio Severo

EUA a caminho de um Estado totalitário

Em uma ação impressionante, em 16 de março de 2012, Barack Obama assinou uma Ordem Executiva (OE) dizendo que o presidente e seus secretários especificamente designados agora tem a autoridade para confiscar todos os recursos internos dos EUA, incluindo comida e água. A OE também afirma que o presidente e seus secretários têm a autoridade para apoderar-se de todo transporte, energia e infra-estrutura dentro dos Estados Unidos, bem como à força destacar cidadãos norte-americanos para o serviço militar. 


A OE contém também uma vaga referência no que diz respeito aos cidadãos americanos aproveitando para cumprir "as exigências de trabalho" para fins de defesa nacional.


Não só isso, mas a autoridade reivindicada dentro da OE não se aplica apenas para emergências nacionais e tempos de guerra. Também se aplica em tempos de paz [...]


A inconstitucionalidade da esmagadora maioria das ordens executivas está bem estabelecida, bem como a ilegalidade de negar aos cidadãos seus direitos básicos constitucionais e humanos, mesmo em caso de uma emergência nacional legítima [...]


No entanto, alguns têm, sem dúvida começado a se perguntar por que o presidente assinou uma ordem desse tipo? Não só isso, mas por que ele assinou a ordem agora? É por causa de uma iminente guerra com o Irã ou a Terceira Guerra Mundial que provavelmente vai resultar de um conflito? É por causa da bomba-relógio chamada economia que é apenas um movimento nervoso ou acordo comercial longe de desintegração total? É por causa de um crescente sentimento de ódio de seu governo por parte do público em geral? Está prestes a ocorrer um desastre natural, do qual não temos conhecimento? Existem planos para implantar a lei marcial?
Seja qual for a razão para o recente anúncio da nova Ordem Executiva de Obama, há uma coisa que sabemos com certeza - "Isso não aconteceria aqui" foi o canto do cisne de quase todas as vítimas de assassinato pelo governo na história humana moderna.


Fonte: Global Research
Traduzido por: Minuto Profético

Nota: Nos últimos cem anos, os Estados Unidos vieram gradativamente se tornando no monstro que hoje vemos. A Besta que emerge da terra, da profecia de Apocalipse 13, é o retrato perfeito dos EUA que estamos vendo com nossos olhos. Um dia, a nação protestante  teve chifres parecendo cordeiro (Cristo), mas hoje, fala como o dragão (Satanás).
Já não falta muito, o mundo está mudando, e logo aceitará de bom grado a Nova Ordem Mundial, e, juntamente com ela, o Decreto Dominical (a marca da Besta).


O palco está pronto. Os atores, posicionados. O espetáculo do fim vai começar.
(Marcelo Karma)

Movimento tenta limitar ensino religioso em escolas públicas no Brasil

Cinco instituições educacionais e ligadas a direitos humanos entraram com recurso judicial esta semana para restringir o ensino religioso nas escolas públicas. Os que assinaram o recurso foram: Ação Educativa, Relatoria Nacional para o Direito Humano à Educação, Conectas Direitos Humanos, Ecos e Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher.
As instituições se baseiam no censo da educação básica feito pelo Inep em 2009 que aponta que metade das escolas do país têm ensino religioso na grade curricular.
O documento está sendo analisado pelo Supremo Tribunal Federal, que analisa a constitucionalidade da disciplina religiosa obrigatória do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental. Este pedido de veto inclui São Paulo e Rio de Janeiro.
Um dos principais argumentos é que os Estados infringem a instituição laica, que prevê que “ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental”.
As instituições contra a disciplina defendem que o ensino religioso deve se restringir a exposição de práticas e da história. Hoje, a lei não impõe uma diretriz sobre o conteúdo, proibindo somente que seja feita propaganda religiosa.
Ainda serão convocados para serem ouvidas instituições religiosas e não religiosas para as escolas tanto de ensino católico, quanto “de outras confissões”.
Também não há data para a votação da nova medida. O grupo de entidades espera que o relator, Carlos Ayres Britto, defina seu voto ainda neste mês.
Nota: Como sempre, a ladainha da "laicidade do estado". O estado é laico, não ateu, meus caros. A cultura e a maioria da população brasileira é Cristã, e isso não se ignora. O estado não deve estar ligado a nenhuma Igreja ou denominação, porém não deve negar a manifestação religiosa de seu povo, visto que o estado está aí para tratar dos interesses do mesmo. O que estão tentando fazer no Brasil, com o pretexto de "estado laico" é descristianizar o país, e, no seu lugar, instaurar uma agenda obscura, para que, cada vez mais, o povo aceite de boca fechada as insanidades de grupos que só se interessam em poder e libertinagem.
Engraçado... Kit-Gay nas escolas, pode. Ensinar sobre religião, não. (Marcelo Karma)

segunda-feira, 19 de março de 2012

Etna entra em erupção pela quarta vez em 2012

(19/03/2012) O vulcão Etna, na ilha italiana da Sicília, entrou nesta segunda-feira em erupção no quarto episódio deste tipo registrado em 2012, e expulsou uma coluna de cinzas que alcançou entre 6.000 e 7.000 metros de altura.

Durante a madrugada foram registrados os primeiros sinais de atividade do Etna, que acusou uma erupção a partir das 8h (hora local, 3h de Brasília).

A erupção aconteceu em uma cratera muito ativa do sudeste do vulcão e a lava avançou pela encosta do Vale do Bove, uma região desértica, enquanto o vento fez com que a nuvem de cinzas se deslocasse para o leste.

Por enquanto esta nova erupção não causou alterações na atividade do aeroporto de Catânia, próximo ao vulcão, embora tenha se previsto a possibilidade de variar algumas rotas se fosse necessário, informaram os meios de comunicação italianos.

Durante 2011, este vulcão de 45 quilômetros de diâmetro, localizado no leste da Sicília, que infla e desinfla pela pressão de seu magma interno, entrou em erupção 18 vezes.


Nota: A natureza está proclamando, assim como os sinais em todo o restante do mundo, que algo muito grande está para acontecer. Sabemos que o grande dia do retorno de Cristo está às portas. (Marcelo Karma)

sábado, 17 de março de 2012

Para agradar aos muçulmanos, nova Bíblia arranca “Pai” e Jesus como “Filho de Deus”

Joel Richardson
No mundo de traduções da Bíblia questionáveis e às vezes completamente estúpidas, pensaríamos que não daria para ver nada pior.
Afinal, já vimos a Nova Bíblia Anotada de Oxford, criada em parte por estudiosos homossexualistas e feministas para apresentar uma interpretação revisionista mais pró-homossexualismo das Escrituras.
Mas agora há uma polêmica imensa por causa das mais recentes Bíblias alteradas, que estão sendo criadas por organizações americanas que a maioria dos cristãos pensa que são conservadoras e equilibradas. Na vanguarda da polêmica estão a Associação Wycliffe de Tradutores da Bíblia, o Instituto Linguístico de Verão e Frontiers. Todas essas organizações estão produzindo traduções da Bíblia que removem ou modificam termos considerados ofensivos para os muçulmanos.
Isso mesmo: estão criando Bíblias ao gosto dos muçulmanos.
Incluída na polêmica está a remoção de todas as referências a Deus como “Pai”, a Jesus como “Filho” ou “Filho de Deus”. Dá para se ver um exemplo de tal mudança na versão árabe do Evangelho de Mateus, produzida e promovida por Frontiers e pelo Instituto Linguístico de Verão (ILV). Na versão normal, Mateus 28:19 diz:
“batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.
A versão árabe alterada diz:
“purificando-os em água no nome de Alá, seu Messias e seu Espírito Santo”.
Um grande número dessas versões conforme a vontade dos muçulmanos já está sendo publicada e distribuída em vários países de maioria islâmica, tais como Bangladesh, Indonésia e Malásia.
De acordo com Joshua Lingel do i2 Ministries, “Uma mudança ainda mais dramática se vê nas traduções em árabe e em bangla (de Bangladesh). Em árabe, as traduções pecam ao traduzir ‘Pai’ como ‘Senhor’, ‘Guardião’, ‘Altíssimo’ e ‘Deus’. Em bangla, ‘Filho de Deus’ recebe a tradução malfeita de ‘Messias de Deus’, em harmonia com Isa al-Masih (Jesus o Messias) do Corão, que faz referências a um Jesus meramente humano”.
Em reação a essas traduções, muitos líderes dentro do movimento de missões evangélicas assim como muitos convertidos que eram muçulmanos no passado e cristãos naturais de outros países onde essas traduções estão sendo usadas, estão indignados.
Embora as organizações americanas que estão promovendo essas traduções estejam inflexíveis em sua postura de que substituir tais termos como Pai por Senhor ou Mestre transmite melhor o sentido inspirado do texto, muitos líderes cristãos dos países em que essas traduções estão sendo promovidas estão abertamente rejeitando essas traduções.
Os crentes desses países discordam fortemente da introdução dessas traduções produzidas nos EUA, vendo-as como uma forma de imperialismo cultural americano.
De acordo com Fikret Böcek, um pastor da Turquia, tais traduções novas são “uma ideia totalmente americana que não tem o mínimo respeito pela sacralidade das Escrituras”.
O líder de uma igreja em Bangladesh disse que um dos aspectos mais problemáticos dessas Bíblias alteradas é que as alterações fortalecem a ideia errada que os muçulmanos muitas vezes têm sobre os cristãos, de que os cristãos mentem e modificam suas Bíblias para enganar os muçulmanos.
Tais traduções parecem exigir que o Autor da Bíblia mude, em vez de os leitores muçulmanos mudarem, transmitindo a ideia de que Deus deve se adaptar ao gosto dos muçulmanos.
Dos 200 projetos de traduções que a Associação Wycliffe de Tradutores da Bíblia e o Instituto Linguístico de Verão estão empreendendo em contextos muçulmanos, cerca de 40 removem os termos Pai e Filho com referência a Deus e Jesus.
Tradução e adaptação: www.juliosevero.com
Fonte: WND
Nota: Não é difícil de entender o por que a Bíblia será proibida novamente, como foi diversas vezes no passado. Ela contém uma verdade inconveniente à muitos e muitos grupos. Todas as pessoas que querem viver da sua própria maneira são por ela acusadas em alguma coisa. Militantes homossexuais, militantes ateus, feministas, islâmicos, espiritualistas, adeptos do neo-paganismo... a lista é grande. Breve vem o tempo em que essas traduções espúrias e adulteradas da Bíblia já não mais satisfarão o gosto desses grupos, e, por fim, finalmente a Bíblia será proibida.
A sentença de Deus, porém, permanece inabalável: "Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro." Apocalipse 22:18-19
(Marcelo Karma)

sexta-feira, 16 de março de 2012

Kony 2012 – Pretexto para a invasão da Uganda


Você já deve ter visto ou pelo menos ouvido falar sobre o projeto “Kony 2012”. O vídeo de 30 minutos se tornou o maior viral da internet, alcançando 100 milhões de pessoas em 6 dias. A meta do documentário é chamar a atenção para Joseph Kony, um criminoso de guerra ugandense, líder do Exército de Resistência do Senhor (LRA), acusado de sequestrar, torturar e escravizar mais de 30,000 crianças e deslocar 2.1 milhões de pessoas.
A campanha “Stop Kony 2012” é realizada pela ONG Invisible Children, da Califórnia, e propõe a intervenção militar dos Estados Unidos para prender Joseph Kony. O problema com a prisão do ugandense é que, mesmo ele sendo um dos criminosos mais procurados, ninguém o conhece ou sabe da sua história, tornando-o invisível.
É através do viral que a ONG busca tornar Kony visível para a sociedade, torná-lo famoso. “Se as pessoas souberem dos crimes que Kony vem cometendo por 26 anos, elas se uniram para detê-lo,” é o que explica o Invisible Children em seu site.
O curta-metragem chama todos que se mobilizarem com a história para divulgarem, através de fotos, cartazes e vídeos, sobre Kony. O plano é surpreender a sua cidade e a mídia na madrugada de 20 abril de 2012, passando a noite nas ruas colando pôsteres em lugares visíveis que denunciam o criminoso africano.
Apesar da rápida propagação do documentário, da aceitação do governo americano e de ter despertado muitos jovens ao ativismo social, o vídeo também recebeu várias críticas, até mesmo de africanos, e gerou polêmica.

Você Caiu Nessa? Vídeo do Kony 2012

A Propaganda de Estado para Uma Nova Geração

O viral Kony 2012 trouxe a consciência mundial para o criminoso africano de guerra, Joseph Kony. Sob esta causa louvável, encontra-se no entanto uma agenda elaborada que é apresentada no vídeo de uma forma muito manipuladora. Vamos olhar para a agenda por trás de Kony 2012 e como ele usa a psicologia reversa, não só para justificar uma operação militar na África, mas para realmente ter pessoas para a exigirem.
Kony 2012 é uma sensação viral que varreu o mundo inteiro em menos de 24 horas. Seu tema principal é o líder rebelde africano Joseph Kony, seus crimes de guerra e o claramente definido “movimento” para detê-lo. Inúmeras celebridades apoiaram o movimento, fontes de notícias relataram que a mídia social está zumbindo com ele. Embora o problema da guerrilha e soldados tem assolado a África durante décadas, e tenha vários documentários já produzidos sobre a questão, este vídeo de 29 minutos foi feito especialmente para conseguiu obter a exposição em massa e o apoio.
Kony 2012 é um pequeno documentário infocomercial altamente eficiente que é feito sob medida para a geração Facebook, usando as técnicas de arte e marketing para tornar objetivo. Jovens como “movimentos clandestinos” que querem sentir como eles estão mudando o mundo. Kony 2012 cutuca essas necessidades para trazer algo que não é “hip” ou “underground” em tudo: uma operação militar na Uganda. Não só isso, ela exorta os participantes do movimento a ter material da ordem, de usar pulseiras que estão associadas com um perfil online para registrar suas ações na mídia social. Isso faz com que Kony 2012, seja o primeiro movimento artificialmente criado totalmente capaz de controlar, monitorar e quantificar por quem o gerou. Em outras palavras, o que parece ser um movimento “do povo” é realmente um novo caminho para a elite avançar sua agenda.
O Experimento Propaganda
O vídeo começa com uma declaração interessante: “Os próximos 27 minutos são uma experiência. Mas para que isso funcione, você tem que prestar atenção“. É um experimento que testa uma forma nova e inovadora para ter uma agenda aceita pela geração Facebook. No passado, quando o governo precisava se justificar a invasão de um país, o presidente se sentava na frente da câmera e dizia ao público por que a guerra deve ser declarada nesta área do mundo. No caso de Kony, a agenda militar está disfarçada com base no ativismo, onde o exército dos EUA entrar na Uganda seria percebido como uma “vitória do povo”, efetivamente revertendo o modelo de comunicação.
 No final do vídeo, uma imagem é exibida explicando como as decisões (e mensagens) iniciais a partir do topo da pirâmide (a elite) são comunicadas para as massas através da mídia e etc..
Devido ao advento das mídias sociais, o diagrama acima tornou-se muito menos eficaz para obter uma mensagem para a geração mais jovem. Não há relatórios da CNN e do Presidente endereçados a nação mais, trata-se de “gostar” de páginas no Facebook e vídeos virais do YouTube. Este é o lugar onde agora se deparam com as mensagens. Sempre estudando, analisando e explorando as maneiras mais eficazes para persuadir a opinião pública, Kony 2012 parece ser uma tentativa de testar a eficácia de uma campanha de propaganda “viral”. Com a criação deste “movimento”, torna os jovens realmente o que o governo dos Estados Unidos da América EXIJE intervir na África, os cérebros por trás desta campanha iriam gerir o impossível: reverter o modelo de propaganda, a fim de torná-lo o emanar do povo. Ao fazer isso, a agenda da elite não é apenas aceita pelas massas, ela é percebida como uma vitória por eles.
“Estamos vivendo em um mundo novo” de fato. O logotipo 2012 Kony apropriadamente representa como um vídeo viral e mídias sociais revertendo o modelo de propaganda. Não se deixe enganar no entanto. Poder não é ainda nas mãos da base da pirâmide … longe disso. É tudo sobre aparências
Quando a guerra no Iraque foi declarada, uma grande parte dos jovens americanos se opuseram à guerra. Como é que eles já estão pedindo o governo a enviar tropas para África? Um vídeo simples, especificamente concebido para a geração Facebook fez o truque. Como é o caso na maioria das campanhas para justificar uma guerra, o primeiro objetivo foi identificar um cara mau.
Identificando o Cara Mau
Ao associar Kony com Bin Laden e Hitler neste cartaz, Kony 2012 é sobre promover a guerra
Eu não tenho absolutamente nenhuma intenção de defender Joseph Kony ou dizer “ele não é tão ruim assim”. Ele, juntamente com muitas outras facções da guerrilha em toda a África, cometeu atrocidades desprezíveis. No entanto, o problema das crianças soldados já existe há décadas e há literalmente centenas de Joseph Konys em todo o continente Africano. Em alguns casos, alguns dos exércitos são efetivamente financiados por países ocidentais. Se quisermos realmente ir para a raiz do problema, a gente descobrirá que a África tem sido atormentado com o problema das facções em guerra e guerrilheiros rebeldes desde que as forças ocidentais “libertaram-os” de suas colônias e dividiu o continente africano de acordo com os interesses ocidentais. Na verdade, em vez de definir os limites de cada país de acordo com a localização geográfica dos grupos étnicos e tribos que vivem lá, os países foram criados de acordo com as necessidades econômicas das forças colonizadoras, como a Grã-Bretanha, França e outros. O resultado líquido é: Um grupo de países artificiais que cada uma contém várias tribos, etnias, línguas e religiões. Quando um grupo toma o poder, os outros são reprimidos, o que leva à violência e rebeldia. Adicione à pobreza extrema devido ao mix de recursos que estão sendo sifonadas para fora da África pelos países ocidentais e você tem um terreno fértil para os senhores da guerra impiedosa. Enquanto este problema existir, “Joseph Konys” continuarão a surgir em África.
Mas o vídeo menciona nenhum destes. Tudo o que diz é que prender Kony iria “tornar o mundo melhor”. Kony 2012 é tudo sobre como identificar um cara mau, “tornando-o famoso”, quando as pessoas exigem sua morte por forças norte-americanas. Corrigindo, a verdadeira causa dos problemas do terceiro mundo nunca foi sobre a Agenda. Mas escolher um “cara mau” para justificar a ação militar sempre foi parte disso. Se no caso de Saddam Hussein, “fatos” (que acabaram por ser falsos) foram dados para justificar a invasão do Iraque. Uma técnica diferente está sendo usada com Kony, que se origina da publicidade.
Qualquer especialista de marketing lhe dirá: “Os fatos não vendem, mas as emoções”. A primeira parte de Kony 2012 aborda apenas emoções. Trata-se de fazer-se um simpático cineasta, mostrando angustiantes imagens de crianças africanas na dor, na miséria e no desespero. Então, o ponto de viragem: Joseph Kony é a causa de tudo isso. E não aos séculos de exploração e devastação pelas forças ocidentais na África que levam à anarquia, caos e da pobreza. Não, é Kony. Aquele desgraçado. George Clooney realmente está bravo com ele agora. Ele até postou sobre isso.
Outra estratégia de marketing é apelar para o menor denominador comum. Em outras palavras, para passar uma mensagem, é preciso tratar o público como se fosse feito de crianças. Kony 2012 faz exatamente isso, ridiculamente simplificando o problema para uma criança de verdade – que representa os telespectadores. Isto não é surpreendente, porém, é como as massas são percebidas pelas pessoas dos mais altos cargos (Elite).
Aqui está o que implica esta cena: “Olha, idiota, até mesmo esta pequena criança entende. Então é melhor ter isso.”
Uma vez que os telespectadores tiveram suas emoções agitadas, foram infantilizados e tiveram o problema enunciado a eles como se estivessem no jardim de infância, a mesa está posta para o verdadeiro objetivo do vídeo: Definição da agenda.
Definição da Agenda
Kony 2012 é um movimento apoiado por algumas das entidades mais poderosas do mundo e tem objetivos precisos. Como o filme de introdução de estado, é uma experiência. É uma oportunidade para criar um movimento que pode ser totalmente rastreável, quantificável e gerenciável através de mídias sociais cujo ponto culminante é uma intervenção militar dos EUA na Uganda. A realização desta missão não é só para ser percebida como uma vitória, que irá restaurar a fé dos jovens na “democracia”. O que os membros deste movimento podem não perceber é que eles estão ajudando o avanço da agenda da elite para uma Nova Ordem Mundial.
Este cartaz apropriadamente resume como os Illuminati funcionam. Os partidos políticos são irrelevantes, onde ambos trabalham para a mesma agenda
A segunda parte do filme vamos de emoções e descrições para os telespectadores de o que a elite espera deles. Tropas norte-americanas já estão na Uganda, mas, de acordo com o filme, Kony “mudou suas táticas” … Droga Kony, você e suas táticas furtivas. Aparentemente, os satélites de alta tecnologia, aviões teleguiados não-tripulados e todos os tipos de radares não são o suficiente para pegar esse cara. Não, a fim de pegá-lo, um plano complicado, que envolve a compra de um “Kit Ação” e registro de bracelete de uma identificação em um site é necessário. Faz sentido.
Aqueles que querem  o “Pare Kony” são obrigados a usar uma pulseira contendo o código único que deve ser registrado em um website. Claro que, a informação pessoal é solicitada
Uma vez que a pulseira está registrada, os membros podem associá-lo com a sua conta do Facebook, que irá acompanhar todas as ações relacionadas com Kony. O resultado final é: cada membro da Kony 2012 serão conhecidos, identificados e facilmente controlados – com informações constantemente atualizadas. Todos esses dados serão, obviamente, coletados, analisados e armazenados pelos responsáveis.
Além disso, os membros são convidados a contribuir com “poucos dólares por mês” para TRI, uma organização cujo objetivo principal é a intervenção militar americana em Uganda.
Logotipo da TRI é um invertido sinal de “Paz”. No simbolismo, um sinal invertido significa que ele representa o oposto do sinal regular. Em outras palavras, TRI é sobre a guerra. Paz não envolve “equipar” e “treinamento” das forças do governo para combater facções rebeldes. À medida dos novos estados, como em 1984, onde Guerra é Paz, liberdade é escravidão e ignorância é força
Para apoiar a causa e torná-la popular, um grupo de elite de artistas e políticos patrocinadores foram alistados, incluindo Lady Gaga, Jay-Z, Rihanna, Oprah, George Clooney, Bono, etc, e não se deixe enganar, não há porque eles daren a mínima para as crianças-soldados na África. Eles são peões da elite e usados para promover sua agenda. Basicamente, eles estão lá para promover o que a Nova Ordem Mundial quer.
Estou vendo o belicista George W. Bush aqui? O cara que mentiu para todo o país, a fim de atacar o Iraque por seu petróleo e outras coisas? Hmm. Estranho
Depois de ir além das celebridades e das emoções, o resultado final desta campanha é simples e realmente politica: Desde a queda da URSS, a superpotência rival, as forças ocidentais têm procurado trazer para baixo e controlar os poderes regionais em todo o mundo, principalmente em países de terceiro mundo. Uganda é parte desse plano. Da mesma forma que o fantasma de Bin Laden foi usado para invadir o Afeganistão, Kony está sendo usado para entrar Uganda.
O vídeo mostra claramente qual é o objetivo deste “movimento”: as tropas dos EUA tomarem o comando do exército de Uganda, da mesma forma que se assumiu o comando dos exércitos do Iraque, Líbia e outros países nos últimos anos.
Conclusão
Kony 2012 é uma campanha orquestrada habilmente e especificamente destinada aos jovens de hoje, os futuros cidadãos do mundo. Usando técnicas de arte e novas tecnologias, a campanha é uma primeira tentativa da “propaganda reversa”, onde a agenda PARECE emanar do povo. Ao usar as emoções, pensamentos irracionais e explicações superficiais, Kony 2012 é uma tentativa de enganar pessoas bem-intencionadas, que desejam fazer uma mudança positiva no mundo, ao invés alimentar uma gigantesca máquina de guerra que é controlada pela elite do mundo.
Kony 2012 é de tentar erradicar as crianças-soldado ou está tentando criar um novo tipo de crianças-soldado?
“Nós iremos lutar nessa guerra”
Fontes: Vigilant Citizen, Sétimo Dia

Nota: Resta saber agora até onde isso vai, e a que proporções chegarão essas experiências com a geração Facebook. Lembrando que, por trás dos Illuminati, estão os Jesuítas. (Marcelo Karma)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...