quinta-feira, 1 de março de 2012

Estados Unidos: entre a Gaylândia e a Maomelândia

Maior nação evangélica do mundo não sabe se vira Sodoma ou Arábia Saudita

Julio Severo
Em escolas americanas, o islamismo está se tornando matéria obrigatória em muitos lugares. Em certa escola do Colorado, os estudantes foram obrigados a cantar a música “Zikr”, escrita por A. R. Rahman, onde um trecho diz: “Não há nenhuma outra verdade senão Alá”.
Em 1963, o Supremo Tribunal dos EUA determinou que a leitura da Bíblia nas escolas americanas era inconstitucional, proibindo o livro sagrado cristão em salas de aula em que a maioria absoluta dos alunos vinha de famílias cristãs. E hoje alunos americanos são obrigados a cantar que Alá é a única verdade, sob risco de serem acusados de “islamofóbicos”. O que virá em seguida? Leitura obrigatória do Corão nas salas de aula?
Quanta confusão, não? Concordo, mas a confusão não para por aí. Na Pensilvânia, Ernest Perce estava vestido, na data do Halloween, de Maomé zumbi. Eu, como cristão, não gosto do Halloween, porém os cristãos não saem batendo em ninguém por causa de fantasias de horror.
Mas tente dizer isso a um muçulmano. Talaag Elbayomy, um muçulmano de 46 anos, atacou fisicamente Ernest. O sargento Bryan Curtis, o policial que foi acionado para deter a agressão do muçulmano, deu testemunho no tribunal de que logo após a violência, Talaag ainda tentou sufocar Ernest.
Na Arábia Saudita ou outro país islâmico, o juiz inocentaria o muçulmano.
E nos EUA, o que aconteceria? Aliás, o que aconteceu?
O juiz Mark Martin inocentou Talaag de todas as acusações de violência, agressão e tentativa de assassinato.
Em seguida, o juiz e toda a sua equipe tiveram de se mudar para um local com segurança reforçada, alegando que receberam 200 ligações telefônicas e e-mails negativos.
Numa entrevista ao Daily Caller, Ernest Perce disse que recebeu umas 500 ameaças desde que seu agressor muçulmano foi inocentado.
“Indivíduos disseram que me matariam, arrancariam meus olhos, me atropelariam, atirariam em mim e então dariam risadas, pois cometi blasfêmia contra Maomé”, disse ele. “Estão ameaçando que serei descoberto e enforcado na frente da minha família”.
Ao contrário do juiz e sua equipe, Ernest não conta com nenhum aparato especial de segurança.
Não sei se o juiz é muçulmano, mas ele deve estar pulando de alegria com o que o governo dos EUA fez na ONU. Há um projeto de lei na ONU patrocinado pelos países islâmicos, de proibir “difamação” ao islamismo, embora esteja mascarado como proibição de difamação a todas as religiões. Nesse caso, se um cristão pregar algo que ofenda os muçulmanos (por exemplo, dizer que “Jesus Cristo é Deus”, algo que é altamente ofensivo para a lei islâmica) e muçulmanos agredirem esse cristão e matarem outros, pela lei da ONU o culpado de tudo será o cristão, que incitou o crime! (A questão é: será que os muçulmanos aprenderam essa estratégia com os ativistas gays ou será que os militantes gays ainda vão fazer uso dessa estratégia islâmica?) A lei estava para fracassar, mas Obama a salvou, tendo a intenção determinada de aprová-la na ONU.
Ei, mas como é que Barack Hussein Obama conseguiu se tornar presidente da maior nação evangélica do mundo e ainda por cima trabalhar para expandir proteção ao islamismo na ONU com uma lei anti-“islamofobia” que promoverá a “religião da paz” no mundo inteiro?
As raízes ancestrais de Obama são, do lado paterno, inteiramente islâmicas. Do lado materno, ele tem raízes evangélicas progressistas. Quer saber o que dá muçulmano com evangélico progressista? Olhe para Obama, um homem que promove a ideologia muçulmana e a ideologia homossexual ao mesmo tempo! É algo tão confuso que os próprios americanos não sabem dizer se seu próprio presidente é cristão ou muçulmano.
O governo de Obama se tornou essencialmente o gênio da lâmpada mágica para militantes gays e muçulmanos nos EUA e no mundo, pronto para lhes atender nos pedidos e exigências mais excêntricos, fortalecendo-os em todos os seus ódios aos cristãos.
Essa convivência de duas ideologias tirânicas aparentemente antagônicas e irreconciliáveis — e igualmente e ardorosamente anticristãs — nas políticas da maior nação evangélica do mundo representa a própria essência da “Babilônia”, palavra que no hebraico antigo significa “confusão”.
Se por um lado o governo americano está trabalhando para que a ONU aprove uma lei internacional para punir críticas ao islamismo, por outro os EUA não fazem segredo de se tornarem um órgão policial internacional para punir a “homofobia”, colocando a mim e outros cristãos em riscos diretos.
Tradicionalmente, os comunistas botavam seus cachorros loucos para cima dos cristãos. Com a poderosa máquina do império americano tomado por loucuras politicamente corretas, Obama quer botar islâmicos e ativistas gays raivosos para cima de nós!
Desgraçadamente, a decadência evangélica de Obama também é refletida pela decadência evangélica na nação americana inteira. As maiores denominações evangélicas — presbiteriana, luterana e anglicana — dos EUA já estão ordenando pastores homossexuais.
O número de evangélicos e igrejas evangélicas nos EUA está despencando. O que está aumentando são as mesquitas. Desde os ataques terroristas islâmicos aos EUA em 2001, o número de mesquitas dobrou, passando de 1,209 para 2,106 em 2010.
Culpa do Obama, não? Na verdade, esse é um problema que antecede Obama. Desde os ataques terroristas há dez anos, George Bush, um estranho evangélico conservador, não fez outra coisa a não ser proclamar o islamismo como “religião de paz”. Além disso, o governo americano começou a dar preferência para os islâmicos imigrarem para os EUA, numa atitude genuinamente maluca.
Os muçulmanos sempre identificaram os EUA como país cristão. Daí, quando o governo dos EUA intervém militarmente numa nação islâmica, os muçulmanos descontam sua raiva destruindo igrejas e matando pastores e cristãos.
Os cristãos, então, pagam um preço alto pelas políticas intervencionistas dos EUA. E se esses coitados tentam pedir asilo, ou mesmo um visto para imigrar para os EUA, são imediatamente rejeitados. Mas seus opressores islâmicos podem sempre contar com os benefícios de asilo ou visto, com a cortesia paranoica do governo dos EUA, desde o governo de Bush.
A única coisa que Obama fez de diferente foi estender essa cortesia aos ativistas gays do mundo inteiro, que agora têm preferência para imigrar para os EUA, logo após os islâmicos.
O resultado não poderia ser diferente. A loucura islâmica está invadindo os EUA. Igrejas evangélicas tradicionais dos EUA já estão sendo transformadas em mesquitas. E se escaparem desse destino islâmico cruel, podem acabar virando saunas gays!
Se a decadência das igrejas americanas não parar e se o governo americano continuar seu namoro apaixonado com a ideologia islâmica, num futuro não muito distante o turista brasileiro que chegar a Nova Iorque contemplará não mais edifícios altos, mas elevados minaretes.
E nas livrarias cristãs, você poderá encontrar o futuro best-seller, “Uma Mesquita Com Propósito”, talvez de Rick Warren, se ele não parar seu namoro ecumênico com líderes islâmicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...